(43) 3336-8003
(43) 9 9820-9291

Mulheres na segurança privada

Mulheres na segurança privada

Mulheres na segurança privada

Mulheres ganham espaço no setor de segurança privada

A imagem de seis guarda-costas femininas no cortejo de posse da presidente Dilma Rousseff fez crescer a procura pelos cursos de segurança pessoal. “Desde janeiro, um número ainda maior de mulheres passou a frequentar os cursos de formação”, diz o consultor Clayton Magno.

Segundo o Sindicato das Empresas de Segurança Privada do Estado de São Paulo (Sesvesp), a procura de mulheres pelos cursos de capacitação aumentou 40% nas academias paulistanas nos últimos cinco anos. Elas já representam 15% dos inscritos.

“Mulher protegendo mulher é tendência”, afirma José Jacobson Neto, diretor do Sesvesp.

De olho nesse nicho, Silvana Barbosa, 37, fez sua matrícula em um curso de formação de vigilante há três anos. “Eu me identifiquei com a profissão. ”

Silvana abandonou a faculdade de ciências contábeis e o escritório onde ganhava R$ 1.800 por mês. Não se arrependeu da troca. Há dois anos, é contratada da GP Segurança e faz escolta para mulheres e filhas de industriais e usineiros. Chega a tirar R$ 8 mil por mês.

Por: Háislan Bassi Baraldi